segunda-feira, 28 de março de 2011

Conta-me uma história... Maionese caseira com azeite

A propósito do 2º aniversário do blog sugeri o passatempo Conta-me uma história... uma história de uma receita feita pelo pai, pela mãe, por nós, na nossa terra, uma receita com história, a história da nossa vida, da nossa infância, das nossas memórias.

Dia 26 celebrámos o 2º aniversário e hoje é dia de contar histórias e de ler as histórias daqueles que tão gentilmente decidiram participar nesta celebração tão especial para mim.


Maionese caseira com azeite




Nas minhas melhores memórias de infância a minha avó está sempre presente! Pela sua ternura, pelo seu carinho, pelo seu amor e dedicação, pela sua paciência em nos ensinar tudo o que sabia e por nos apoiar nas nossas aventuras gastronómicas quando eu ainda mal chegava ao fogão.

Lembro-me de sempre querer cozinhar e a minha mãe prometia-me que quando tivesse altura para chegar ao fogão me deixaria cozinhar, tal como já deixava a minha irmã.

Era dia de festa quando decidíamos cozinhar a quatro: eu e a minha irmã,a  minha mãe e a minha avó. Era uma tarde de prazer e de alegria quando podíamos passear entre colheres de pau, tigelas altas, ovos, chocolate, claras em castelo... o prazer de fazer um bolo, uma mousse de chocolate ou uma maionese era algo que me enchia de alegria!

Lembro com especial carinho a paciência com que a minha avó, sentada com a taça ao colo, batia ou envolvia as massas dos bolos, e a paciência com que nos ensinava que envolver não era bater e que mexer era sempre para um lado (superstições culinárias que mereciam outro post ) , que bater era com uma vara de arames e tinhamos que ser enérgicos.

Mas o que ela fazia como ninguém, porque tinha uma paciência infinita, era mexer os bolos. Mexia calmamente a massa que depois me dava a taça suja para eu tirar com os meus deditos aquela massa que me sabia como nenhuma outra!

Lembro-me de na minha infância ir lanchar à casa da vizinha, chá e pão com manteiga, e aquele pão com manteiga sabia-me maravilhosamente...nunca mais nenhum pão com manteiga me soube tão bem. Às vezes penso que as manteigas mudaram de sabor..mas cada vez mais acredito que o que me sabia celestialmente naquele pão com manteiga era o ritual, a presença calma e serena da minha avó e o sabor das memórias de infância raramente é alcançadas posteriormente.

Um dia decidimos fazer maionese. Tinham-me oferecido um livro de culinária infantil que trazia uma receita de maionese. Parecia deliciosa. Na altura não se comprava maionese de frasco (nem tenho memória sequer de ver tal coisa em casa) e aquele molho que o livrito mostrava tão apelativo não me saia da cabeça. Pedido feito lá fomos para a cozinha.

Ovos prontos(caseiros que sabem como nenhuns outros), mostarda preparada, azeite no galheteiro pronto a  ser usado, vamos lá pôr a vara de arames a funcionar!

Foi uma tarde esplendida aquela em que eu descobri o prazer das emulsões! Tinha descoberto com a minha avó o prazer de fazer uma maionese caseira, com a sua textura cremosa, o seu sabor suave e a sua cor amarelada.

Nunca mais fiz maionese caseira à mão desde esse dia confesso. O tempo passou e aprendi a  fazer a receita na varinha mágica, facilidades dos tempos modernos que tanto tempo nos poupam mas tantos prazeres nos roubam.

No outro dia ao ver um livro do Oliver lá estava novamente a foto de uma maionese bem caseira, batida à mão. Não resisti! Ovos caseiros na mesa, azeite, sal e mostarda e vamos lá fazer maionese sem máquina nenhuma!

Confesso... ao fazer esta maionese todas as recordações daquela tarde com a minha avó voltaram... foram essas recordações que deram nome a este passatempo. Há histórias que merecem ser contadas! Há memórias que devem saltar cá para fora e deixarem a sua marca na memória dos outros. Há histórias que não devem cair no esquecimento e devem ser contadas e escritas para que todos as conheçam.

Assim surgiu o Conta-me uma história... numa tarde em que uma simples maionese feita à mão me despertou memórias de infância, cheiros, momentos e principalmente...muitas saudades!




Ingredientes

1 ovo (de preferência caseiro)
sal
azeite qb
1 colher chá de mostarda
umas gotas de limão




Confecção

- Deite o ovo inteiro numa tigela alta.
- Tempere com uma pitada de sal, junte a mostarda e umas gotas de sumo de limão.
- Bata esta mistura com uma vara de arames até obter uma mistura esbranquiçada.
- Comece por juntar em fio (quase gota a gota) o azeite sempre sem parar de bater. Só páre de juntar azeite quando obtiver uma emulsão e a maionese estiver consistente e cremosa, fazendo esta operação sem nunca deixar de bater a maionese.
- Caso seja a primeira vez que faz maionese pode começar por fazer a emulsão com óleo e só a meio é que junta o azeite.
- Caso a maionese não fique consistente junte mais um ovo e repita novamente a operação com o azeite ou óleo.
- Leve a maionese ao frio uns 10 minutos antes de servir e delicie-se!

4 comentários:

  1. Que lindas recordações, também me lembro muito dos meus avós maternos, porque os paternos infelismente já tinham falecido quando nasci.
    Fiquei nostálgica...

    Bjinho
    Maria José

    ResponderEliminar
  2. obrigada. Realmente da nossa infãncia ficam memórias positivas , nas quais os avós e os pais e ir,ãos assumem forte presença.

    Sem eles nenhuma memória de infância seria tão feliz...

    ResponderEliminar
  3. São sempre lindas as nossas recordações amiga de uma infância feliz,bjokinhass

    aqui está amiga o meu post parabéns querida

    http://receitinhasdabelinhagulosa.blogspot.com/2011/03/licor-de-leite-desafio-de-aniversario.html

    ResponderEliminar

Obrigada pela visita. Deixe o seu comentário, é sempre bem-vindo a este cantinho. Responderei assim que poder.