quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Dicas de poupança doméstica neste dia mundial da poupança


Hoje assinala-se o dia mundial da poupança. Porque os tempos são de dificuldades poupar para sobreviver é um imperativo. Siga alguns destes conselhos e veja aqui uma lista de 235 receitas económicas para o ajudar a planear as suas refeições de forma económica e simples. Receitas económicas  e veja aqui mais de quarenta sugestões de receitas com aproveitamentos.


Dicas e truques de poupança na cozinha

Faça compras de forma racional, compre apenas o que necessita, aproveite as promoções, use vales de desconto e outras promoções que compensem.

Evite comprar carne já embalada, é mais cara o quilo e fará com que gaste mais dinheiro. Por exemplo, no talho compre um frango inteiro e peça para tirar os peitos , ou faça-o em casa com uma boa faca, corte o restante frango em pedaços que poderá guisar, estufar, fazer com arroz, com massa,etc. Com o peito do frango pode também fazer bifes. Estará a comprar o peito de frango (geralmente o triplo do preço do frango por kg) ao preço do kg do frango.



Com os bifes de peru compre-os no talho também, já cortados e embalados são sempre mais caros o kg. Experimente comprar asas de peru para assar no forno, são muito boas e bastante em conta.


Compre bacalhau já desfiado , pois conseguirá melhores preços. Experimente o paloco, em alternativa ao bacalhau é muito bom também e de sabor semelhante.


Opte por fazer em casa muitas das coisas que come, pois além da qualidade ser outra sairão muito mais em conta. Por exemplo rissóis, rolinhos de salsicha, pastéis de bacalhau, pizzas, etc. Pode ver aqui no blog várias suggestões deste tipo de refeições e como prepará-las.


Guarde o pão que não comeu, com pão rijo pode fazer sopas, entradas, sobremesas, pratos principais, etc. Pode também fazer pão ralado caseiro. Leve o pão ao forno no minímo durante 20 minutos. Retire o pão e deixe arrefecer. Rale o pão na picadora e depois de ralado pode aromatizar com alho em pó, ervas aromáticas secas, queijo parmesão ralado, etc. Guarde o pão ralado em frascos bem vedados.


Pode fazer azeites aromatizados em casa bem como vinagres. Basta colocá-los em frascos bem vedados com o ingrediente que desejar, por exemplo vinagre aromatizado com alecrim, ou azeite aromatizado com manjericão.Estará a poupar dinheiro, pois os de compra são mais caros por serem aromatizados.


Também pode fazer vinagres aromatizados em casa. Use vinagre base de vinho branco ou de sidra e junte , por exemplo, mel, uma haste de alecrim, etc. Guarde no frigorífico em frasco esterilizado previamente.


Também pode fazer o seu piripiri em casa. Meia dúzia de malaguetas, sal, azeite e whisky. Triture tudo bem de preferência num almofariz) e guarde num frasco em local seco e fresco. Este preparado dura muito tempo.


Evite comprar refeições já preparadas, geralmente são caras e trazem pouca quantidade. Há refeições que pode fazer previamente para congelar como lasanhas, rissóis, pastéis de bacalhau, croquetes, rolinhos de salsicha, empadas, etc.


Use e abuse das conservas, para além de económicas as conservas são uma dádiva preciosa. Experimente vários tipos de atum em conserva, sardinhas, petingas, etc. Experimente por exemplo fazer um esparguete cozido e juntar sardinhas em molho de tomate. Uma refeição simples mas muito saborosa. Pode fazer o mesmo com uma lata de mexilhões em molho de tomate ou com atum.


Faça sopas. Começar uma refeição com uma sopa é mais nutritivo e sacia a fome para a restante refeição. Pode optar por comprar legumes, cortá-los e congelá-los em sacos, já com a mistura de legumes preparada.( por exemplo, espinafres, cenoura às rodelas, lombardo cortado, etc). Assim quando precisar é só retirar do congelador e pôr na panela e num instante terá uma deliciosa sopa cheia de legumes. Pode optar também por fazer caldos com coentros e alho e servir tipo açodar com pão e ovo escalfado.


Tenha sempre em casa produtos enlatados, económicos e que lhe permitam fazer refeições deliciosas e nutritivas. Feijão, grão, salsichas, atum, massa e arrozes permitem fazer refeições fáceis e baratas sem grande trabalho.


Para poupar na carne e no peixe para uma refeição para familia experimente cortar a carne ou o peixe em pedaços e fazer com arroz ou massa. Junte legumes e a refeição renderá mais do que se fizer só a carne ou o peixe. Por exemplo, se fizer só bifes terá de contar com um a dois bifes por pessoa, mais acompanhamentos. Se fizer um arroz de carne, por exemplo, pode reduzir a quantidade de carne e todos ficarão saciados.


Aproveite as sobras de comida. Para não repetir a mesma refeição faça uma nova com o que sobrou.


Dicas e truques de poupança em casa



Sabia que pode fazer aromatizadores caseiros? Para aromatizar cortinados e outros tecidos coloque num frasco de spray uma porção de amaciador da roupa com um bom cheiro e encha o resto de água. Sempre que quiser usar basta agitar.


Para ter um aromatizador daqueles de pauzinhos arranje um frasco de vidro com boca pequena, encha com essência a gosto ( encontra-se à venda no celeiro por exemplo) , outra porção de óleo de amêndoas doces e coloque dentro do frasco espetos de madeira para espetadas. Deixe absorver os óleos e mude-os de posição. Verá que vão largando um agradável odor.


Para desentupir canos o melhor produto é uma porção de bicabornato de sódio, misturado com água e vinagre. Mexa e deixe ferver. Deite nos canos entupidos, deixe actuar uns minutos e de seguida deite um jacto de água quente por cima. Resulta melhor que muitos produtos à venda.


Para desengordurar melhor a loiça coloque umas gotas de limão ou vinagre no seu detergente para a loiça, verá que desengordura mais facilmente a loiça.


Para poupar dinheiro nos sabonetes líquidos para lavar as mãos, leve ao lume 1 lt de água. Quando ferver junte 1 sabonete de glicerina inteiro. Mexa até se dissolver. Desligue o lume, coloque em frascos e deixe arrefecer. Leve ao frigorífico durante um dia e está pronto a usar. Obtém 1 lt de sabonete liquido por menos de 1€.


Compre ervas aromáticas em vaso e tenha-as na janela, na varanda ou se tiver um pequeno pátio pode ter ainda mais espécies de plantas, como alfaces, espinafres, etc. Poupará bastante dinheiro com estas pequenas plantações. Pode usar as borras de cafév como fertilizante para as plantas. As borras de café são também muito boas para desentupir canos, pois agarram a sujidade. É só deixar correr água depois.





Arroz de tamboril, camarão e ervilhas




Comprei 2 lombinhos de tamboril congelados já a sonhar com este arroz que adoro. Com muito caldo, ervilhas e camarão é uma refeição muito agradável para os dias de frio. É daquele tipo de arroz que como à colher como se fosse sopa, é a minha satisfação com estes pratos, sabe mesmo bem!


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 35 m
Custo - médio


Ingredientes
  • 2 lombinhos de tamboril congelados
  • 4 camarões médios
  • 2 c. sopa de ervilhas congeladas
  • 120 g arroz agulha
  • 2 tomates médios (usei congelados)
  • 1 cebola pequena
  • 1 lt de caldo de marisco (feito com 1 cubo)
  • 1 pitada de sal
  • 1 raminho de coentros frescos
  • 1 fio de azeite


Preparação

1. Descongele previamente o peixe cortado em pedaços e o camarão. Tempere- os de sal uns 3 minutos e depois lave bem e seque-os.

2. Pique finamente a cebola. Aqueça água e coloque os tomates na água. Passado uns minutos pele-os e corte-os em pequenos cubos. Num tacho deite  um fio de azeite e leve ao lume. Quando estiver quente junte a cebola e deixe cozinhar até amolecer. Junte o tomate, frite-o um minuto em lume médio e incorpore de seguida o arroz. Frite o arroz neste preparado uns 3 minutos em lume médio/baixo.

3. Junte então o caldo de marisco quente , mexa, tempere a gosto de sal ( ter atenção pois o caldo já tem sal) e tapar o tacho deixando cozinhar em lume médio até começar a ferver. Deixe cozinhar até o arroz começar a ficar tenro, mas que ao trincar ainda esteja rijo. Esta é a altura ideal para juntar os restantes ingredientes que vão necessitar de cerca de 10 minutos de cozedura.  Junte então as ervilhas e o peixe e deixe cozinhar até o peixe, o arroz e as ervilhas estarem cozinhados e com caldo.

4. Quase no final ( vá provando, a comida tem de se provar para se ver os pontos de cozedura, o sabor, se precisa de apurar mais, etc)  junte o camarão e deixe cozer uns 3 a 4 minutos. Desligue o lume, tape e deixe acabar de cozer com o vapor., o camarão acaba de cozer no vapor e ficará suculento. Polvilhe com coentros frescos finamente cortados e sirva.







terça-feira, 30 de outubro de 2012

Frango guisado com esparguete e ervilhas



Os dias mantém-se chuvosos e esta é daquelas comidas que sabe mesmo bem num dia de chuva e frio. Um frango guisado com ervilhas, que eu adoro, principalmente a massa que fica com um gosto muito bom.


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 50 m
Custo - económico

Ingredientes
  • 1 frango com cerca de 800 g cortado em pequenos pedaços
  • 2 tomates maduros 
  • 1 cebola pequena
  • 1 fio de azeite
  • 1 folha de louro
  • 4 c. sopa de ervilhas congeladas
  • 200 ml vinho branco
  • 2 lt água
  • sal qb.
  • 150 g esparguete
  • 1 molhinho de salsa fresca


Preparação

1. Comece por fazer o refogado. Pique bem a cebola e aloure-a num fio de azeite em lume brando. Junte depois o tomate sem pele  e cortado aos cubos, mexa e deixe cozinhar mais uns 2 minutos em lume brando.

2. Coloque o frango , deixe ganhar cor e junte o vinho. Aumente o lume, deixe o vinho reduzir para metade e incorpore a água quente. Tempere de sal a gosto, junte a folha de louro, tape o tacho e deixe o frango cozinhar cerca de 35 minutos ou até verificar que está cozido.

3. Junte então o esparguete ( se necessário acrescente mais água quente para a massa cozer com bastante caldo), mexa para a massa não colar e quando voltar a ferver introduza as ervilhas descongeladas previamente (cozerão mais depressa).  Junte então a salsa cortada e deixe a massa e as ervilhas cozerem por 10 minutos.  Desligue o lume e sirva ainda quente.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Carapauzinhos fritos com arroz de tomate e pimento



Esta é mais uma daquelas receitas tradicionais portuguesas que todos conhecemos, que nos habituámos a comer na casa dos nossos pais, que serviam outrora nas melhores tascas e que até há pouco tempo era raro encontrar. São os chamados "jaquinzinhos" ou carapauzinhos que se servem fritos, por norma com arroz de tomate ou pimento e que são uma verdadeira delícia.

 Aprendi a servi-los com umas gotas de vinagre e rodelas de alho cru que depois se retiram no momento de comer e servem para aromatizar o peixe. Recordo-me do meu avô fazer sempre isto ao peixe frito, por vezes até punha folhas de louro partidas e comia os peixinhos fritos no dia seguinte depois de tomarem gosto com o alho,  o louro e o vinagre.

Talvez memórias e hábitos enraizados de tempos de maior carestia. A realidade é que a necessidade aguça o engenho e o engenho trouxe-nos até nós excelentes pratos de épocas de pobreza e falta de ingredientes que obrigavam a que as cozinheiras inventassem o que servir com o pouco que tinham. Essa é a nossa maior herança gastronómica e talvez tenhamos que reflectir sobre ela para sobrevivermos também a estes tempos tão difíceis.


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 45 m
Custo - económico


Ingredientes


Carapauzinhos
  • 600 g carapauzinhos pequenos para fritar
  • farinha de milho q.b.
  • óleo para fritar ( usei Espiga)
  • sal q.b.
  • 1 dente de alho
  • umas gotas de vinagre de vinho branco

Arroz de tomate e  pimento
  • 150 g arroz carolino
  • 1/2  pimento encarnado
  • 3 tomates (médios) maduros
  • 1 cebola
  • 1 dente de alho
  • sal q.b.
  • azeite q.b.
  • coentros frescos q.b.




Preparação

1. Lave e arranje os carapauzinhos. Salpique-os de sal e deixe tomar gosto uns 3 minutos no máximos. Seque-os bem da humidade e do sal e passe-os pela farinha de milho. Aqueça o óleo numa frigideira larga e quando estiver bem quente frite o peixe até ficar alourado de ambos os lados. Depois de fritos coloque-os a escorrer em papel absorvente. Retire-os depois para uma travessa e se gostar sirva salpicados com umas gotas de vinagre e rodelas de alho.

2. Pique muito finamente a cebola e o alho. Lave e corte o pimento em tiras e retire a pele aos tomates , cortando-os em pequenos cubos.

3. Num tacho leve o azeite a aquecer e quando estiver quente junte a cebola e o alho. Baixe o lume e deixe a cebola cozinhar até amolecer por completo.  Junte então o tomate e o pimento e, em lume brando, deixe cozinhar uns 3 minutos. Por fim junte o arroz, aumente o lume para médio e deixe o arroz fritar um pouco neste molho. Junte água quente ( cerca de 500 ml de água ) , tempere de sal a  gosto, baixe o lume para médio /baixo, tape o tacho e deixe o arroz cozinhar até estar bem cozido. Quando estiver quase cozido destape o tacho e deixe o caldo evaporar um pouco.  Desligue o lume assim que o arroz estiver cozido e salpique com coentros frescos finamente cortados.

4. Sirva os carapauzinhos com o arroz de tomate e pimento.








domingo, 28 de outubro de 2012

Frango com batatas gratinado no forno- aproveitamento de sobras de frango assado



Do almoço sobrou frango assado e batatas fritas. Solução para o jantar? Frango com batatas gratinado no forno! Simples, saboroso, com aproveitamentos se reinventa uma nova refeição feita num instante e  logo com outro sabor. Em tempos difíceis a imaginação é mesmo a nossa maior aliada na cozinha!

Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 20 m
Custo - económico


Ingredientes
  • sobras de frango assado (cerca de 1/4 de frango)
  • sobras de batatas fritas 
  • 1 pacote 200 ml bechamel
  • 100 ml leite
  • 1/ cebola
  • 30 g queijo ralado
  • sal
  • manteiga q.b.
  • 1 fio de óleo





Preparação

1.  Numa frigideira derreta  a manteiga com um fio de óleo e nela aloure a cebola cortada em rodelas muito finas. Desfie o frango e junte-o ao preparado da cebola, bem como as sobras de batatas fritas, em lume brando, deixando tomar gosto uns 4 minutos.

2. Junte o molho bechamel e , sempre em lume brando, envolva bem. Tempere de sal se necessário.

3. Coloque este preparado num recipiente de forno e por cima espalhe o leite, de modo a que o frango fique cremoso. Polvilhe com o queijo ralado de seguida.

4. Leve ao forno  a alourar  até o queijo gratinar.  Sirva quente com salada de alface e tomate a acompanhar.


sábado, 27 de outubro de 2012

Sopa de grão com massa e lombardo



Nos dias de chuva sabe tão bem começar a refeição com uma sopa bem quentinha! Prefiro cremes de legumes, mas de vez em quando uma sopa com tudo inteiro, bem tradicional, também sabe muito bem e, em abono da verdade, dá menos trabalho. É só colocar tudo na panela e deixar cozer!


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 35 m
Custo - económico


Ingredientes
  • 1 lata pequena de grão cozido
  • 20 g esparguete
  • 1 cenoura
  • 1/4 couve lombarda
  • 1 folha de couve galega ou portuguesa
  • azeite q.b.
  • sal q.b.



Preparação

1. Num tacho coloque a água. Junte a cenoura cortada em rodelas, a couve lombarda e a couve galega em juliana e leve ao lume com um fio de azeite e uma pitada de sal.

2. Deixe os legumes cozerem. Quando estiverem quase cozidos junte o esparguete cortado em pequenos pedaços e o grão e deixe acabar de cozinhar a massa.

3. Sirva a sopa quente com umas folhas de hortelã.


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Creme aveludado de cogumelos



Se há sopa que adoro é este creme de cogumelos. Fica um creme fica com um sabor delicioso e delicado a cogumelos. Desta vez experimentei fazer com natas e gostei muito. Servi este creme com cubos de pão torrado, cogumelos e bacon salteado. Uma sopinha ideal para estes dias chuvosos!


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade- médio
Tempo preparação- 35 m
Custo - acessível

Ingredientes
  • 450 g cogumelos brancos (variedade Paris)
  • 1 batata
  • 1 cebola média
  • 1 fio de azeite
  • 200 ml natas
  • sal e pimenta branca
  • 2 fatias de bacon


Preparação

1. Limpe os cogumelos com a ajuda de um pincel (não os lave). Corte-os em fatias. Lave e corte a cebola e a cenoura e corte ambas em fatias finas.

2. Num tacho coloque um fio de azeite e leve ao lume. Junte os cogumelos laminados ( reserve alguns para a decoração) e a cebola. Deixe cozinhar em lume brando até a cebola e os cogumelos estarem amolecidos.

3. Junte então  água quente a gosto,  tempere de sal e pimenta e junte também a batata. Deixe cozinhar por 15 minutos em lume médio/baixo. Passado este tempo triture a sopa em puré e leve novamente ao lume. Junte as natas e deixe cozinhar mais uns 5 minutos em lume brando. Rectifique os temperos se necessário e desligue a sopa.

4. Deite um fio de azeite numa frigideira e nela aloure os cogumelos laminados que reservou. Junte o bacon em pedaços e frite-o até estar estaladiço.

5. Sirva o creme de cogumelos com cubos de pão torrado, os cogumelos salteados e o bacon.



quinta-feira, 25 de outubro de 2012

30 sugestões de receitas com massa para celebrar o dia mundial da massa




Económicas, práticas, nutritivas  e muito deliciosas as massa são um ingrediente maravilhoso na gastronomia. Permitem fazer imensas receitas e ficam sempre bem, rápidas e variadas, as massa são sempre uma boa opção para qualquer refeição.

Os portugueses consomem anualmente uma média de 6,6 kg de massa por ano, estando o nosso país no top 20 europeu dos consumidores de massa. Este top é liderada pela Itália onde o consumo médio anual de massa é 26 kg.

Comemora-se hoje o 14º dia internacional da massa. A paixão dos portugueses pela massa é conhecida há vários séculos. Um dos seus maiores divulgadores foi o cozinheiro da Rainha D. Maria I, que em 1784 publicou um livro de cozinha com um capítulo sobre receitas de massa alimenticías.

O que poucos sabem é que as massas são um excelente alimento, com fibras , vitaminas, ácido fólico, fosfato, cálcio , ferro, cobre, magnésio , sódio e potássio.

Para celebrar este dia mundial da massa deixo 30 deliciosas sugestões de receitas com massa. Para aceder á receita basta clicar no nome.


1- Tortilha de esparguete, chouriço e queijo mozzarella

2- Fusili com carne picada e cogumelos

3- Salada de espirais com ovo, queijo feta e presunto

4- Chow mein de lulas

5- Esparguete com camarão e mexilhão em molho cremoso

6- Esparguete à bolonhesa

7- Esparguete com molho marinara, camarão e mexilhão

8- Fusili com bacon,fiambre e oregãos frescos

9- Peito de frango à parmegiana( com massa)

10- Lasanha de ricotta e fiambre

11- Coelho guisado com esparguete

12- Esparguete gratinado com mozzarella e tomate cherry salteado

13- Frango com esparguete e cogumelos

14- Fusili com mariscos em molho cremoso

15- Lasanha de atum aromatizada com coentros

16- Talharim com camarão e legumes

17- Lasanha de camarão

18- Esparguete diablo

19- Fusili de charcutaria perfumado com alecrim

20- Salada fria de macarrão com fiambre,queijo e nozes

21- Esparguete à Xangai

22- Esparguete integral com delícias do mar, atum e tomate

23- Lasanha de cogumelos

24- Tagliatelle com camarão em molho cremoso de queijo

25- Tagliatelle com ervilhas, fiambre e camarão em molho cremoso de queijo parmesão

26- Esparguete com molho cremoso de atum

27- Macarrão com salsichas

28- Tagliatelle com bacon e fiambre

29- Massada de cação

30 - Esparguete no forno com bacon



Saiba mais sobre a história da massa:


Conta-se que foi Marco Polo que introduziu as massas em Veneza. Contudo, sabemos que muito antes disso, no século V a.C., já os Gregos se alimentavam se uma mistura de farinha com água seca ao sol e cozida em água.

A questão não é pacífica, ainda hoje, vários países como a China, Japão, Coreia, Alemanha, França ou Itália (só para citar alguns exemplos), afirmam ter criado este fantástico alimento! A dúvida provavelmente manter-se-á.

Uma das poucas certezas que podemos ter em relação ao percurso evolutivo da massa é que a descoberta da primeira mistura de farinha de trigo moída com água aconteceu durante o período do neolítico tardio, cerca de cinco mil anos antes de Cristo.

Foi este talvez o primeiro passo para chegar ao que hoje conhecemos por massa alimentícia. Este é apenas o início de uma longa história.

Há também provas de que, no século IV a.C., os Etruscos representaram através da pintura vários instrumentos que serviam para confecionar massa caseira.

E, depois, vêm as civilizações clássicas (gregas e romanas), com vários testemunhos que comprovam a existência de massa nos hábitos alimentares.

Na Grécia, Plínio, “O Antigo”, falava em “maza” quando se queria referir a tiras finas de massa cozida ou fritas sobre uma pedra quente.

Em Roma, por volta do ano 170 a.C., os padeiros fabricavam a “stracta” – uma massa fresca ou seca que servia para engrossar molhos ou para forrar tartes salgadas.

Os primeiros registos históricos que comprovam a produção de massa seca, numa escala relativamente industrial, são os escritos de Al-Idrisi. Este geógrafo árabe afirma que numa localidade perto de Palermo, na Sicília, “se produzia em abundância massa com a forma de tiras”. Esta massa designada por “trii” era exportada para diversos locais, inclusivamente por barco.

Nos arquivos da cidade de Génova, encontra-se um documento datado de 1279, do qual consta o inventário da herança de um soldado genovês, que inclui “um cesto cheio de macarrão”.

Se dúvidas houvesse, com este documento elas ficariam desfeitas, isto porque Marco Polo andava em viagem entre 1275 e 1292, logo não poderia ter sido ele a trazer as massas para Itália.

Foi em 1400 que os italianos implementaram definitivamente a comercialização da massa.

No livro “De Honesta Voluptate”, de Platina, são apresentadas algumas receitas de massa, e em particular de uma “massa que devia ser cozida rapidamente”, nunca para além do tempo necessário para rezar um padre-nosso.

Talvez assim se compreenda o gosto especial dos italianos pela massa “al dente”, nem muito crua, nem muito cozida. Em 1533, faziam parte da ementa do banquete de casamento 2 pratos de massa: um preparado com molho de carne assada e queijo e outro com manteiga, açúcar, mel, açafrão e canela. E foi assim que as massas foram introduzidas na corte e na gastronomia francesa.

No século XVII, a população de Nápoles cresceu de forma intensa e a forma de a alimentar era uma questão a resolver. Foi preciso inventar um sistema para amassar as farinhas destinadas a produzir massa. Até aí, a farinha, em grandes quantidades, era amassada com os pés – um processo que em nada agradava ao rei Fernando II. Com uma ideia simples, tudo acabou por se resolver: o engenheiro Cesare Spadaccini inventou uma máquina de bronze com uma prensa mecânica que servia para amassar. Uma ideia que deixou o rei mais satisfeito e que proporcionou um substancial aumento na produção de massa.

Em finais do século XVIII, Nápoles liderava já a manufatura de massas; há registos que comprovam a existência de 280 lojas de massa nesta cidade, por volta do ano de 1785.

Ao longo dos tempos, a massa tornou-se num alimento cada vez mais popular: em 1740, a cidade de Veneza viu abrir a primeira fábrica de massas. Cerca de vinte anos mais tarde, Parma seguiu-lhe os passos.

As alterações tecnológicas surgidas neste período possibilitaram que se produzisse massa a um custo mais baixo; este facto contribuiu para que as massas se tornassem um produto ainda mais popular.

Nesta época, as massas eram postas a secar estendidas nos balcões e nos telhados das casas e até mesmo nas ruas. Quando ficavam prontas para o consumo, eram comercializadas por vendedores ambulantes que as cozinhavam em fogareiros de carvão e serviam com queijo ralado. Por esta época, o método usado para comer as massas era muito prático: bastava erguer uma tira com a mão e, depois, levá-la à boca.

No nosso país, e no que respeita à divulgação das massas alimentícias, registamos a importância do ano de 1785. Nesse ano, Lucas Rigaud, cozinheiro da rainha D. Maria I, publicou um livro de cozinha, onde se incluíam duas receitas de massa: uma “sopa de aletria e outras massas” e “Timbale de macarrão à italiana”.

Podemos ainda acrescentar um último dado, que revela a genuína paixão dos portugueses pela massa: a famosa aletria, uma deliciosa sobremesa que, desde há muito, faz parte da nossa riquíssima tradição gastronómica.

Os elementos históricos disponíveis fazem com que, ainda hoje, se continue a associar as massas a Itália.

De facto, foi o povo italiano que deu um grande impulso à projeção mundial das massas, mas a grande razão do seu sucesso está nas suas características únicas.

Além de saborosas, as massas são muito versáteis, podendo assumir as mais variadas formas para que combinem na perfeição com qualquer tipo de ingredientes. Foi isso que fez com que as massas fossem adotadas por todo o tipo de culturas gastronómicas nos quatro cantos do mundo, desde os Estados Unidos à China, sem esquecer Portugal, onde as massas desempenham um papel de relevo na cozinha tradicional.

A sua facilidade e rapidez de confeção trouxe as massas para as refeições do dia-a-dia, aliando o seu lado saudável ao lado prático. Ao longo da história, o fator tempo sempre foi muito importante, mas é com a azáfama dos estilos de vida mais urbanos que o tempo se tornou um bem essencial e as massas numa solução ideal.

Estas características explicam porque as massas mantiveram, ao longo de séculos, nos pratos de inúmeros povos e culturas diferentes, sendo hoje incorporadas nas tendências da haute-cuisine mundial, garantindo seguramente a continuidade da evolução das massas.
A história das massas está, por isso, incompleta e todos os dias se escrevem novas páginas, num saboroso livro onde a tradição vive harmoniosamente ao lado da inovação.

Fonte da informação- Milaneza

Jardineira de vitela



Esta é daquelas refeições que sabem muito bem quando começa o frio e a chuva. É comida de "conforto", quente e saborosa. A jardineira pode ser feita com outras carnes a gosto. Esta foi feita com cubos de vitela.


Receita para 4 pessoas
Grau de dificuldade - médio
Tempo preparação- 1h20
Custo - médio/alto

Ingredientes
  • 1 kg de vitela aos cubos (para guisar/estufar)
  • 100 g ervilhas congeladas
  • 2 cenouras médias
  • 8 batatas médias
  • 1 cebola
  • 3 tomates
  • 1 folha de louro
  • 1 fio de azeite
  • sal


Preparação

1. Faça  o refogado.  Pique finamente a cebola e retire a pele aos tomates cortando-os em cubos. Numa panela larga coloque um fio de azeite e leve ao lume. Quando estiver quente junte a cebola e o tomate e deixe refogar até a cebola amolecer. Junte água quente (cerca de 2 lt ) e deixe ferver.

2. Quando começar a ferver tempere a gosto de sal e introduza a carne. Deixe a carne cozer cerca de 45 a  minutos ou até verificar que a carne está quase cozida.

3. Lave e descasque as batatas. Corte-as em cubos. Descasque a cenoura e corte-a em rodelas. Junte a batata e a cenoura à carne  e deixe ferver novamente. Quando começar a ferver novamente introduza as ervilhas. Deixe cozer os legumes e a carne em lume médio , rectifique os temperos  e desligue o lume quando tudo estiver bem cozido. Sirva ainda quente com salada de alface.


quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Bifanas com molho cremoso de cogumelos



Na correria do dia-a-dia impera a necessidade de receitas rápidas, fáceis e económicas. Esta é uma sugestão que encaixa perfeitamente nesta categoria. Usei cogumelos de lata, pois não tinha dos frescos, mas pode optar por fazer a receita com cogumelos frescos. O que importa é que em 15 a 20 minutos temos a comida na mesa e depois é só saborear!


Receita para 2 a 3 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 20 m
Custo- económico


Ingredientes
  • 4 bifanas de porco finas
  • 1 lata pequena de cogumelos inteiros
  • manteiga q.b.
  • óleo q.b.
  • 100 ml vinho branco
  • 100 ml caldo carne (feito com cubo)
  • (+/-) 1 c, chá rasa de amido de milho
  • 1 pitada de sal e pimenta preta
  • coentros frescos q.b.




Preparação

1. Derreta numa frigideira larga a manteiga e o óleo. Tempere de sal e pimenta as bifanas e frite-as de ambos os lados em lume médio até estarem alouradas. Retire as bifanas e coloque-as num prato fundo aquecido.

2.  Deite um pouco mais de manteiga na frigideira e frite ligeiramente os cogumelos inteiros. Junte o vinho, aumente o lume e deixe reduzir para metade.

3. Misture a farinha no caldo e deite esta mistura na frigideira. Baixe o lume, junte os sucos que a carne formou no prato e vá mexendo até o molho engrossar a gosto. Junte novamente as bifanas ao molho e sirva de imediato polvilhado com coentros frescos.


Nota-

- Pode fazer 1lt de caldo com cubo e guardar no frigorífico em frasco esterilizado durante uma semana e ir usando à medida que precisar. Recentemente descobri no supermercado do El corte inglês caldos pacotes de 1 lt, líquidos, para usar nos mais diversos preparados a um preço bastante simpático( 1,59€) . Para usar no dia-a-dia pode ser  uma boa opção. Tenho reparado nos mais diversos canais de culinária estrangeiros o recorrente uso destes caldos em pacote, já feitos, nas mais variadas receitas.



terça-feira, 23 de outubro de 2012

Caldo de coentros com ovo escalfado



Receitas económicas e saudáveis são cada vez mais necessárias. Por vezes é necessário ir buscar ideias ás nossas raízes gastronómicas, nos tempos de carestia e de elevado brilhantismo gastronómico para  repensarmos o nosso modo de cozinhar. Receitas tão simples mas tão saborosas que podem ser feitas rapidamente e resultar numa deliciosa refeição.

Este caldo é uma verdadeira delicia, tão aromático que perfumou toda a casa. para grandes apreciadores de coentros, como eu, este caldo é um pedaço do céu! Deve ser comido com um pão consistente como é o caso do pão saloio ou do alentejano.

Receita para 2 pessoa
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 15 m
Custo - económico

Ingredientes
  • água q.b. 
  • 1 molho de coentros frescos
  • 2 dentes de alho
  • sal
  • 2 a 3 ovos
  • azeite q.b.
  • pão saloio ou alentejano


Preparação

1. Leve  água ao lume com uma pitada de sal e um fio de azeite.

2. Num almofariz esmague os coentros (cortados) com os dentes de alho. Junte esta mistura ao caldo quando começar a ferver, mexa e deixe ao lume uns 5 minutos a apurar.

3. Baixe o lume. Parta os ovos para uma tigela e depois deite , cuidadosamente, um a um, os ovos no caldo , deixando os ovos escalfar a gosto.

4. Desligue o lume. Sirva o caldo quente com fatias de pão e o ovo escalfado.


domingo, 21 de outubro de 2012

Bifes de vaca com molho de vinho



Para dias de maior pressa esta pode ser uma boa sugestão. Uns rápidos bifes de vaca fritos com molho de vinho e esparguete cozido a acompanhar.


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 20 m
Custo - médio


Ingredientes
  • 3 bifes vaca finos
  • sal
  • 1 c. chá vaqueiro ideal para bifes
  • 100 ml vinho branco
  • 1 c. chá mal cheia de amido de milho
  • 100 ml de caldo de carne (feito com cubo)
  • 1 fio de óleo
  • 1 dente de alho





Preparação

1. Numa frigideira coloque a margarina vaqueiro para bifes, um fio de óleo e o alho finamente cortado e leve ao lume.

2. Frite os bifes e tempere-os de sal no momento. Deixe fritar de ambos os lados e retire os bifes da frigideira para um prato fundo aquecido. Retire o alho para não ficar amargo. Junte o vinho e deixe reduzir para metade, mexa bem e junte também o suco que os bifes formaram no prato.

3. Misture o amido de milho no caldo de carne e junte ao molho de vinho. Reduza o lume e vá mexendo o molho até engrossar a gosto. Sirva de imediato com os bifes de vaca e esparguete cozido.

sábado, 20 de outubro de 2012

Pescadinhas de rabo na boca fritas com açorda de coentros


Fazia bastante tempo que não comia umas pescadinhas de rabo na boca fritas, acompanhadas de uma açorda de coentros como tanto gosto. É uma refeição simples, tradicional e que conheço desde sempre e que sabe sempre bem. A pescada enquanto pequena (menos de 2,5kg) adquire o nome de marmota, embora todos lhe chamemos pescada ou pescadinhas. O ideal é fritá-las em farinha de milho, como acontece com quase todos os peixes fritos. Aqui fica a receita.

Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 35 m
Custo- acessível

Ingredientes
  • 4 pescadinhas médias
  • farinha de milho q.b.
  • óleo para fritar
  • sobras de pão duro 
  • 2 dentes de alho
  • azeite q.b.
  • coentros frescos q.b.
  • 1 ovo
  • sal q.b.


Preparação

1. enrole as pescadas de forma a prender o rabo na boca conforme mostra a foto e meia hora antes coloque-as com sal. Passado esse tempo lave-as e seque-as. Passe-as pela farinha de milho e leve-as a fritar em óleo bem quente, lume médio, de ambos os lados.

2. Faça a açorda. Demolhe o pão aos pedaços em água. Num tacho aqueça um fio de azeite com os alhos inteiros mas esmagados e junte o pão escorrido apenas com as mãos. Mexa, tempere de sal, junte mais água se necessário e aumente o lume para médio deixando a açorda cozinhar uns 10 a 15 minutos em lume médio. Quando a açorda estiver pronta, baixe o lume, junte o ovo e mexa . Deixe cozinhar mais um minuto e no final, junte os coentros frescos cortados, mexa e desligue o lume.

3. Sirva as pescadinhas de rabo na boca fritas com a açorda de coentros.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Sopa de peixe, massa e ovo escalfado



Quem diz que uma sopa não pode servir de refeição? Esta é uma das sopas que serve de refeição, é deliciosa, cheia de nutrientes e de sabor e de fácil preparação. Pode ser feita com qualquer peixe, com mistura de vários peixes ou até com sobras de peixe cozido com o seu caldo. Neste caso foi feita com red-fish, um peixe muito saboroso para este tipo de sopa, mas pode optar por fazer, por exemplo, com pescada.


Receita para 3 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 45 m
Custo - acessível

Ingredientes
  • 450 g red fish (usei congelado)
  • 120 g massa cotovelinhos
  • sal 
  • 1 folha de louro
  • 1 cebola média
  • 1 c. sopa de pimento encarnado aos cubos
  • 3 camarões médios
  • 2 tomates médios (congelados)
  • coentros frescos q.b.
  • 1 fio de azeite
  • 3 ovos




Preparação

1. Comece por cozer o peixe, descongelado, em água e sal. Depois de cozido retire-o do caldo, reserve o caldo e desfie o peixe em lascas.

2. Num tacho deite um fio de azeite e leve a aquecer. Junte a cebola finamente cortada em cubos e aloure-a em lume brando até estar translúcida. Junte o pimento e o tomate pelado e cortado aos cubos  , mexa, cozinhe por 3 minutos e de seguida incorpore o caldo do peixe ( se achar pouco caldo acrescente água para dar uma sopa para 3 pessoas). Tempere a gosto de sal se necessário e junte a folha de louro. Aumente o lume e deixe ferver.

3. Junte então a massa e deixe cozer a massa durante 6 minutos, após o caldo voltar a ferver. Junte então os camarões e o peixe desfiado. Abra os ovos, um a um, para uma tigela e deite-os com cuidado sobre o caldo. Baixe o lume e tape o tacho para que os ovos escalfem com o vapor durante uns 3 minutos ou até estarem cozinhados a seu gosto.

4. Desligue o lume e polvilhe com bastantes coentros frescos cortados finamente.  Sirva a sopa acabada de fazer e se gostar junte umas gotas de vinagre de vinho branco.


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Bacalhau dos casamentos



A receita foi a minha irmã do blog Cozinha com Arte que me deu. Chama-lhe bacalhau dos casamentos por ser muito parecido com o bacalhau que se come nos casamentos. È um prato muito saboroso de bacalhau, que pode ser feito com bacalhau já desfiado ou posta e usa-se batata palha de pacote. O bechamel pode fazer de raiz, como foi o caso, o usar bechamel já de pacote e desta forma tornar a receita de preparação mais rápida .

Receita para 5 pessoas
Grau de dificuldade- médio
Tempo preparação- 45 m
Custo- médio

Ingredientes
500 g bacalhau desfiado e demolhado
2 cebolas médias
1 fio de azeite
1 dente de alho
100 g queijo flamengo ralado
2 pacotes de batata palha
 50 g de manteiga
2 colheres de sopa (bem cheias) de farinha
800 ml de leite
sal
pimenta
noz moscada







Preparação

1. Corte a cebola em rodelas. Deite um fio de azeite num tacho e leve ao lume. Junte a cebola às rodelas e o alho finamente picado e deixe cozinha uns 5 minutos em lume brando até a cebola amolecer e ficar translúcida.

2. Junte então o bacalhau desfiado e deixe cozinhar uns 3 a 4 minutos em lume brando até o bacalhau ficar cozinhado. Junte as batatas palha, envolva bem e desligue o lume para que a batata vá amolecendo.

3. Entretanto faça o bechamel. Leve ao lume a manteiga e quando esta derreter junte a farinha e mexa bem até formar uma bola.  Vá juntando o leite aquecido (evita a formação de grumos) e vá mexendo sempre com uma vara de arames até obter um creme liso e aveludado, com o lume no mínimo. Tempere com sal , pimenta e noz moscada e retire do lume. (caso o molho ganhe grumos passe com a varinha mágica até desaparecerem).

4. Ligue novamente o lume do bacalhau e mexa bem para que aqueça de forma uniforme e desligue novamente o lume. Envolva o molho bechamel no preparado de bacalhau, deixando um pouco para cobrir o bacalhau no final, e envolva bem.

5. Deite o preparado de bacalhau num tabuleiro de forno e cubra com o restante bechamel. Espalhe o queijo e leve a forno, pré-aquecido, a 220º durante uns 30 minutos e até o queijo alourar.

6. Sirva de imediato com salada de alface e tomate.





quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Tortilha de esparguete, chouriço e queijo mozzarella - aproveitamentos



Com a máxima " nada se estraga tudo se reaproveita" deixo aqui esta deliciosa sugestão. Que tal uma tortilha de esparguete para o jantar com sobras de esparguete cozido de outra refeição? Simples e deliciosa esta tortilha feitas com sobras resultou numa deliciosa refeição nova, cheia de sabor e muito económica.


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade- fácil
Tempo preparação- 15 m
Custo - económico


Ingredientes
  •  150 g esparguete cozido
  • 4  a 5 ovos
  • 6 rodelas de chouriço
  • 50 g queijo mozzarella ralado
  • sal e pimenta preta
  • coentros frescos  q.b.
  • óleo q.b.





Preparação

1. Numa tigela coloque os ovos e bata-os. Junte o esparguete, (escorrido) o queijo, o chouriço (sem a pele) e cortado aos pedaços  e misture tudo. Tempere de sal e pimenta e junte coentros frescos finamente cortados.

2. Deite um fio de óleo numa frigideira e aqueça. Quando estiver quente deite metade do preparado na frigideira e espalhe por toda a frigideira ( que não deve ser muito grande). Deixe fritar em lume brando até estar alourada e então, com cuidado, vire a tortilha para que frite também, em lume brando, do outro lado. Repita a operação com o restante preparado, de modo a conseguir 2 tortilhas de esparguete com cerca de 1 dedo de altura, no mínimo.

3. Depois de alouradas de ambos os lados coloque a escorrer sobre papel absorvente. Retire depois as tortilhas para um prato e sirva quentes ou frias com coentros frescos cortados por cima.


terça-feira, 16 de outubro de 2012

30 sugestões de receitas com aproveitamentos para celebrar o dia mundial da alimentação





Dia 16 de Outubro é o dia mundial da alimentação.Esta comemoração, que teve início em 1981, é na atualidade celebrada em mais de 150 países como uma importante data para conscientizar a opinião pública sobre a questões da nutrição e alimentação.

 Evitar o desperdicío, aproveitar as sobras das nossas refeições, recriando novas receitas é um desafio ao qual propomos , principalmente numa altura de dificuldades económicas como esta, realizar de forma fácil, poupando dinheiro e evitando desperdiçar um bem tão precioso quanto a comida.

Para celebrar este dia Mundial da alimentação deixo 30 sugestões de receitas feitas com aproveitamentos, para que no quotidiano, possamos cozinhar de forma racional e económica.  Para aceder à receita basta clicar no nome da receita que deseja consultar.


1- Frango à brás com cenoura e pimento


2- Cascas de batata frita


3- Terrina de carnes


4- Salada de polvo


5- Pastéis de massa tenra


6- Empadão de bacalhau com cenoura


7- Tarte de peixe e bróculos


8- Empada de carne de porco, salsicha e chouriço


9- Bacalhau cremoso à antiga


10- Frittata de batata, presunto e queijo da ilha


11- Tiborna de presunto, ovo e carne


12- Arroz de açafrão com frango, salsichas e camarão


13 -  Pastéis de bacalhau


14- Souflê de bacalhau à antiga com molho de tomate


15- Pudim de pão com maçã, banana e canela


16- Tarte de peixe com cogumelos e presunto


17- Lasanha de frango com cogumelos


18- Tarte de peixe e legumes


19- Panquecas doces de pão


20 - Batatas salteadas com alho e manjericão


21- Tarte de carne picada, chouriço e tomate


22- Pão de alho com ervas aromáticas


23- Tarte de peixe com cogumelos e tomate


24-  Pataniscas de pescada


25- Pudim de pão saloio


26- Ovos mexidos com batatas e bacalhau


27- Fofos de bacalhau e batata


28- Pataniscas de pescada e delicias do mar


29- Bolinhas de arroz


30- Tortilha de carne no forno




Sopa de abóbora e lombardo




As noites estão mais frias e progressivamente o Outono vai ocupando o seu espaço no calendário. As sopas começam novamente a estar presentes nos jantares destas noites mais frias e sabem tão bem, confortam tanto, são tão fáceis de fazer e económicas. Gosto muito de fazer e inventar sopas. Com os legumes que estão no frigorífico é só criar no momento uma deliciosa e reconfortante sopa.


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 35 m
Custo - económico


Ingredientes
  •  água q.b. 
  • 100 g abóbora aos cubos
  • 150 g  couve lombarda em juliana
  • 1 cebola média
  • 3 batatas médias
  • azeite q.b.
  • 1 dente de alho
  • sal



Preparação

1. Num tacho coloque a água. Leve ao lume, tempere de sal e junte a batata às rodelas bem como a cebola. Deixe estes legumes cozerem no caldo e quando estiverem cozidos triture a sopa em puré.

2. Depois de triturada leve novamente ao lume e junte a abóbora aos cubos e a couve lombarda cortada em juliana grossa. Deixe estes legumes cozerem e o puré tomar o gosto de ambos.

3. Sirva a sopa quente regada com um fio de azeite.


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Frango assado no forno com limão e arroz de cenoura e bróculos



Agora que o tempo arrefeceu voltam a apetecer as comidas de forno que tanto nos consolam como é o caso de um delicioso frango assado, feito de forma muito simples , com limão e alho e acompanhado de batata frita às rodelas e arroz de cenoura e bróculos. Para além de ser uma sugestão económica é também muito saborosa.

Receita para 3 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 45 m
Custo - económico


Ingredientes
  • 1 frango com cerca de 1,200 kg
  • 1 limão
  • 2 dentes de alho
  • 1 c. sopa manteiga
  • azeite q.b.
  • sal
  • batatas para fritar
  • 150 g arroz carolino
  • 1 cenoura
  • 1/2 cebola
  • 3 raminhos de bróculos




Preparação

1. Lave bem o frango e coloque-os num tabuleiro de forno. esmague os alhos e misture-os na manteiga . Barre bem o frango com a manteiga de alho e  tempere de sal a gosto. Corte o limão em rodelas e disponha-as por dentro do frango e no tabuleiro. Junte um pouco de água no fundo do tabuleiro e leve ao forno a 220º (forno tradicional). Vá regando o frango com o molho que se forma no tabuleiro e quando vir que está assado e alourado de um dos lados vire para assar e alourar do outro lado também.

2. Enquanto o frango assa faça o arroz. Pique finamente a cebola e aloure-a num fio de azeite. Junte a cenoura descascada e cortada aos cubos e os bróculos separados por pequenos raminhos. Deixe saltear 2 minutos e junte o arroz. Frite o arroz uns minutos e junte água (cerca de 0,5 lt de água), tempere de sal, tape o tacho e deixe o arroz cozer. Quando o arroz estiver quase cozido destape o tacho para que o caldo evapore e o arroz fique mais seco.

3. Quando o frango já estiver assado e a pele dourada desligue o forno e retire-o. Deixe repousar uns minutos e de seguida corte o frango em pedaços. Disponha-o numa travessa e enfeite com raminhos de salsa e as batatas fritas caseiras.

4. Acompanhe o o frango com o arroz, batata frita e salada de tomate.


sábado, 13 de outubro de 2012

Cubos de porco estufados com cenoura e esparguete



Uma carne estufada pode ser uma boa opção para os fins de semana em que temos mais tempo para cozinhar. Desta vez experimentei estufar cubos de carne de porco com cenoura e tomate e ficaram muito bons. Uma receita económica e fácil de fazer como se pretende nos dias de hoje.


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 1 h
Custo - económico


Ingredientes
  • 400 g carne de porco aos cubos (comprei bifanas aos cubos)
  • 1 cenoura
  • 2 tomates
  • 3 c. sopa de polpa de tomate
  • 1 cebola
  • 1 dente de alho
  • 1 folha de louro
  • 200 ml vinho branco
  • sal
  • 1/4 de pimento encarnado



Preparação

1. descasque a cenoura e a cebola. Corte a cenoura em rodelas e a cebola em pequenos cubos. Corte o pimento em pequenas tiras também.

2. Num tacho ( pode usar a panela de pressão) coloque a carne, a cenoura, a cebola, o pimento, o alho picado, o louro, o tomate aos pedaços ( sem pele), a polpa de tomate e o vinho branco. Tempere a gosto de sal, junte um pouco de água e leve ao lume médio a estufar até a carne estar tenra ( pode demorar na panela normal cerca de 50 minutos mas vá verificando com o garfo se a carne já está ou não bem cozida ).

3. A meio da cozedura verifique os temperos , se necessita de mais caldo (caso necessite aqueça água e junte) e mexa a carne. Deixe acabar de cozinhar com o tacho tapado.

4. Coza esparguete em água fervente temperada de sal durante uns 8 minutos e depois de cozida escorra-a.

5. Sirva a carne estufada com o molho por cima do esparguete.




sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Bifanas com molho de mostarda em grão



Na maior parte dos dias apetecem-nos receitas simples, não muito complicadas , que possamos chegar a casa e fazer com facilidade e em pouco tempo. Umas bifanas descongeladas foram o mote para estas bifanas com molho de mostarda em grão. O molho fica uma delícia e é muito fácil de fazer.


Receita para 2 pessoas
grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 20 m
Custo - económico

Ingredientes
  • 3 a 4 bifanas de porco
  • 1 c. chá de manteiga
  • 1 fio de óleo vegetal
  • 2 dentes de alho
  • mostarda em grão q.b.
  • 100 ml vinho branco
  • 1 c. chá (rasa ) de amido de milho (+ ou -)
  • 100 ml água
  • sal e pimenta preta
  • 2 folhas de louro

Preparação

1. Tempere as bifanas com sal e pimenta e o alho finamente cortado e os grãos de mostarda esmagados (use o almofariz).

2. Deite numa frigideira um fio de óleo e a manteiga e leve ao lume a derreter. Junte então as bifanas ( com o alho, os grãos de mostarda e o louro) e deixe-as cozinhar em lume brando e aumente apenas o lume para as alourar de ambos os lados.

3. Retire as bifanas para um prato fundo ( retire também o alho frito e o louro) e deite o vinho branco na frigideira, bem como mais uns grãos de mostarda esmagados. Deixe o vinho evaporar para metade e junte o molho que as bifanas formaram no prato.

4. Misture a farinha na água e incorpore esta mistura no molho de vinho. Baixe o lume e vá mexendo até engrossar. Assim que começar a engrossar a gosto ( se engrossar demasiado junte um pouco mais de água) desligue o lume e incorpore novamente as bifanas. Sirva de imediato.



quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Frango à brás com cenoura e pimento



Esta é uma receita económica, rápida, fácil de fazer, que se pode fazer com sobras de frango e ainda boa para levar no dia seguinte na marmita para o almoço. Que mais se pode pedir?


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo Preparação- 25 m
Custo - económico


Ingredientes
  • 250 g sobras de frango assado
  • 350 g batata palha (usei de pacote por ser mais rápido)
  • 1/2 cenoura
  • 1/2 pimento encarnado
  • 1 cebola média
  • 1 dente de alho
  • 1 folha de louro
  • 2 ovos
  • 1 fio de azeite
  • azeitonas q.b.
  • coentros frescos q.b. 


Preparação

1. Lave os legumes ( cebola, cenoura e pimento) e corte a cebola em rodelas finas, a cenoura e o pimento em juliana grossa ( manualmente) e pique finamente o alho.

2.  Deite um fio de azeite num tacho e nele aloure a cebola, em lume brando, até esta estar amolecida. Junte então a cenoura e o pimento e cozinhe-os também em lume brando uns 3 minutos. Junte o frango desfiado, misture bem e deixe tomar gosto uns minutos.

3.  Baixe então o lume e junte a batata, misturando tudo bem para que a batata amoleça. Bata os ovos e junte-os ao brás. Aumente o lume para médio e cozinhe os ovos a gosto mexendo o brás de frango para que se torne mais consistente.

4. Desligue o lume e polvilhe com coentros frescos cortados e enfeite com azeitonas. Sirva o frango à brás com salada de alface e tomate.


quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Filetes de pescada panados com camarão e arroz de tomate e coentros



Esta é uma receita simples mas muito caseira e tradicional, cheia de sabores que adoro e com uns filetes de pescada panados que eu gosto muito e de vez em quando faço para saciar a vontade de comer filetes. Acompanhados de um delicioso arroz de tomate foram a refeição perfeita.

Receita para 3 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 45 m
Custo- médio

Ingredientes

Filetes de pescada e camarão
  • 400 g filetes de pescada
  • 8 camarões médios
  • 2 limões
  • 2 dentes de alho
  • 1 folha de louro
  • sal e pimenta preta (moída na altura)
  • 2 ovos
  • farinha de milho q.b.
  • 1 pitada de açafrão das índias
  • óleo vegetal para fritar

Arroz de tomate e coentros
  • 150 g arroz carolino
  • 3 tomates maduros
  • 2 c. sopa de polpa de tomate
  • 1 cebola pequena
  • 1 dente de alho
  • 1 fio de azeite
  • sal
  • 1 molho de coentros frescos



Preparação

1. Coloque o peixe no sumo de 1 limão, alho laminado, louro, sal e pimenta duante 10 minutos para tomar gosto.

2. Prepare o arroz. Aqueça num tacho um fio de azeite e nele aloure a cebola e o alho cortados muito finamente. Rale o tomate no ralador até à pele (use o ralador da cenoura) e junte o tomate ralado ao refogado, bem como a polpa de tomate. De seguida junte o arroz e com o lume no mínimo deixe fritar uns minutos. Junte água ( cerca de 0,5 lt), tempere de sal e deixe o arroz cozer neste caldo.

3. Enquanto o arroz coze prepare os filetes.  bata os ovos num prato e coloque noutro prato a farinha de milho. Junte á farinha uma pitada de açafrão das índias ( para dar cor) e uma pitada de sal e misture.

4. Passe os filetes de pescada e o camarão primeiro no ovo batido e depois na farinha de milho e frite-os em óleo bem quente.

5. Quando o arroz estiver cozido polvilhe-o generosamente com coentros cortados no momento.

6. Sirva os filetes de pescada com rodelas de limão, o camarão panado e o arroz de tomate e coentros.





terça-feira, 9 de outubro de 2012

Almôndegas caseiras em molho de tomate e batata cozida



Gosto de almôndegas caseiras, suculenta e cozinhadas com um delicioso molho de tomate são para mim uma perdição quando o tempo começa a refrescar mais. Desta vez fiz com carne de porco e vaca e ficaram muito saborosas e desfaziam-se na boca. Uma receita simples, que podemos sempre fazer e congelar para cozinhar em refeições de maior pressa.


Receita para 3 pessoas
Grau de dificuldade - médio
Tempo preparação- 45 m
Custo - acessível


Ingredientes
  • 500 g carne de vaca picada
  • 300 g carne de porco picada
  • 1 carcaça ( convém usar um pão que se desfaça quando amolecido)
  • 1 pitada de sal e pimenta preta
  • 1/2 cebola
  • 1 folha de louro
  • 1 c. sopa de pimento encarnado aos cubos
  • 2 c. sopa de polpa de tomate
  • 2 tomates maduros
  • 4 batatas médias
  • azeite
  • 1/2 copo de vinho branco
  • água q.b.
  • salsa





Preparação

1. Coloque a carcaça em água até esta amolecer por completo. Escorra-a bem e reserve.

2. Numa tigela larga misture as duas carnes com a carcaça amolecida e já escorrida. Tempere a gosto de sal e pimenta e molde bolinhas com as mãos. Reserve enquanto prepara o refogado.

3. Deite  um fio de azeite num tacho ou numa frigideira larga e leve ao lume. Junte a cebola finamente picada e deixe alourar em lume brando. Junte depois a polpa de tomate e o tomate aos cubos limpo de peles e sementes, bem como o pimento e a folha de louro. Deixe refogar uns 2 minutos em lume brando. Aumente o lume, junte o vinho branco e deixe evaporar o álcool.

4. Junte então água , deixe ferver e depois introduza as almôndegas, baixando o lume para médio para que cozinhem lentamente. Tempere a gosto de sal e deixe cozinhar.

5. Coza as batatas às rodelas ( com casca) em água e sal e depois de cozidas escorra-as e retire-lhes a pele. .

6. Junte as batatas cozidas ao molho das almôndegas quando estas já estiverem cozinhadas (demora cerca de 20 minutos a ficarem bem cozinhadas)  e polvilhe com salsa fresca cortada. Sirva de imediato.





Nota

- Pode congelar as almôndegas depois de moldadas. Coloque-as numa taça com tampa ou numa travessa e depois cubra com película aderente e leve ao congelador. Quando precisar é só descongelar e cozinhar.

- Pode também usar sobras de batata cozida para esta receita.


segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Douradas ao sal de citrinos e tomilho



A receita vinha na Continente Magazine do mês de Setembro e não resisti a experimentar. Sempre ouvi maravilhas sobre os peixes feitos ao sal, mas receava tanto sal não salgaria o peixe? Receios à parte aproveitei 2 douradas que tinha comprado para experimentar esta receita e admito que foi uma grande surpresa. O peixe não fica nada salgado, fica mesmo no ponto de sal e como o sal forma uma "carapaça" o que acontece é que o peixe cozinha a vapor e fica suculento e com um delicioso e puro sabor a mar. È uma receita que vale a pena experimenta nem que seja uma vez na vida!


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - médio
Tempo preparação- 45 m
Custo - médio


Ingredientes
  • 2 douradas (cada uma tinha 450 g) sem estar arranjada e com escamas
  • 1,5 kg de sal
  • raspa de 1 limão
  • raspa de 1 laranja
  • 1/2 chávena de folhas de tomilho
  • água q.b.




Preparação

1. Comece por colocar num recipiente grande o sal, as raspas de limão, de laranja e as folhas de tomilho, envolvendo bem todos os ingredientes. Borrife o preparado com água (usei mesmo um borrifador) até ficar húmido.

2. Num tabuleiro alo coloque metade do sal aromatizado, por cima as douradas e por fim verta o restante sal  de forma  a cobrir por completo as douradas.

3. Humedeça novamente o sal para formar uma carapaça espessa e compacta que não deve abrir para que o peixe coza em vácuo.

4.  Leve ao forno pré-aquecido a 200º durante 30 minutos. Retire do forno e com a ajuda de uma faca golpeie dos lados o sal e retire a carapaça, que deve sair intacta.

5. Sirva  a dourada com mais raspa de limão, tomilho e azeite extra virgem , legumes cozidos e salada.






Notas

-  Quando tirei a carapaça de sal não sai por inteiro, pelo que me apercebi que devia ter humedecido mais o sal. De qualquer forma foi muito fácil remover o sal do peixe e as douradas ficaram deliciosas e no ponto certo de sal.

domingo, 7 de outubro de 2012

Manual de Confeitaria- Um livro, uma raridade da literatura gastronómica



O Manual de Confeitaria é um livro de Candido Borges da Silva, brasileiro, e foi feito em 1866 em Paris . A livraria Arquimedes Livros reeditou apenas 80 exemplares desta raridade de livro sobre confeitaria, após ter tido acesso ao não menos raro original que nem sequer é descrito pelos historiadores brasileiros.

Eu sou a feliz contemplada com um destes exemplares desta valiosa reedição porque a história da gastronomia também é história e deve ser valorizada por todos aqueles que gostam de cozinhar.

O original foi publicado no Brasil  em 1866, mas feito em Paris na livraria Viúva J. P. AiIllaud, Guillad e Cª  e possuía na sua folha de rosto o Brasão português e o brasão brasileiro.




O Manual da Confeitaria de Candido Borges da Silva começa por descreve as partes constituintes de uma "oficina de confeitaria", o trabalho geral do confeiteiro , as cores usadas na preparação da confeitaria, o açúcar, os seus vários pontos e formas de trabalhar  e por fim as receitas de confeitaria, existindo uma secção exclusiva dedicada aos doces portugueses, tais como o manjar branco , o pão de ló, a sopa dourada, o bolo podre, as broinhas, entre outros.

Com ilustrações, facto raro à época no que toca a este tipo de literatura, podemos ver neste livro gravuras de cozinhas, de alguidares, escumadeiras e espátulas que nos permitem ter uma melhor percepção do trabalho de confeitaria no séc. XIX.


Se quiserem saber mais sobre o livro podem ler  no blog Garfadas on line ( um blog que merece ser lido do 1º ao último post com inúmeras e diversas informações históricas sobre cozinha, hábitos nacionais, produtos com história , entre tantos outros assuntos de interesse.) 

Caso queiram adquirir o livro podem fazê-lo através da Livraria Arquimedes Livros .





sábado, 6 de outubro de 2012

Fejão verde e alhos franceses bebés assados com tomilho



A receita dos alhos franceses bebés é do Jamie Oliver num dos seus livros. A opinião que tenho dos livros é que grande parte das receitas não são muito fáceis de fazer, pelo que , quando me deram um livro dele acabei apenas por fazer uma ou duas receitas e não me interessei muito pelo autor.

No entanto, o que tenho visto do seu programa de televisão 30 minutes meals fez-me mudar de opinião, pois no programa as receitas apresentadas são fáceis, acessíveis e com ingredientes conhecidos. Assim o Jamie Oliver passou a estar mais presente na minha cozinha também. Esta receita é feita com alhos franceses bebés, muito tenros e mais saborosos, não é fácil encontrar à venda pelo que usei uns biológicos que me deram e que se adequaram de imediato a experimentar esta receita.


Receita para 2 pessoas
Grau de dificuldade - fácil
Tempo preparação- 35 m
Custo - acessível


Ingredientes
  • 100 g feijão verde
  • 3 a 4 alhos - franceses bebés
  • azeite virgem extra
  • 2 dentes de alho
  • umas hastes de tomilho
  • sal


Preparação

1. Coza o feijão verde, arranjada, lavado e sem fio, em água e sal. Depois de cozido escorra-o bem.

2. Aqueça água noutro tacho com sal e quando ferver introduza os alhos - franceses , limpos da parte exterior e da rama, e branqueie-os por 3 a 4 minutos. Retire e escorra-os.

3. Coloque os legumes numa travessa de forno, regue com azeite, os alhos laminados e o tomilho sem a haste.

4. Leve ao forno a 220º durante cerca de 25 minutos. Sirva de imediato após retirar do forno.